Maria é a Toda Santa Mãe de Deus!


Por Ir. Flávia Luiza, ddp

Oito dias após a festa do nascimento de Nosso Senhor Jesus Cristo a Igreja no primeiro dia do ano, se coloca sob a proteção de Maria com a celebração da solenidade de Santa Maria Mãe de Deus (Theotókos).
Este título grego, que significa Mãe de Deus, é o título mais importante dado pela Igreja à Virgem Maria. Desde o início da Igreja, ela ocupa lugar de respeito e obediência entre os cristãos. Prova disso é o Sub tuum praesidium, um escrito grego encontrado em um papiro do século III, no ano de 250 d. C. que traduz um Hino à Virgem Maria, é a oração mais antiga da Igreja à Virgem, muito usada pelos Cristãos. Este hino revela três grandes pontos que atestam a nossa fé católica: 1º Maria é a Santa Mãe de Deus; 2º Maria, sempre Virgem; 3º Maria, a única Pura do Pecado é a Bendita entre todas as mulheres.
Na história da Igreja, ocorreram muitas controvérsias sobre a questão desse título de Theotokos. No século IV um bispo chamado Nestório, patriarca de Constantinopla, afirmava que em Cristo há duas pessoas e duas naturezas. Para ele, Maria é somente a mãe de Cristo homem, e não a Mãe de Deus, ela é a Christotokos. Esta heresia chamada de Nestorianismo, nega toda a ação do Espírito Santo no seio da Virgem Maria e por isso foi combatida pela Igreja em 431 d. C. no Concílio de Éfeso. A Igreja sempre afirmou e afirma que Maria é a Mãe de Deus, pois Jesus gerado em seu seio é uma única pessoa com duas naturezas, ou seja, sendo Ele nascido de uma mulher é um homem e sendo gerado pela ação do Espírito Santo é também divino. O Catecismo da Igreja Católica no parágrafo 466 nos ensina que: Maria é a “Mãe de Deus, não porque o Verbo de Deus dela tenha recebido a natureza divina, mas porque dela recebeu o corpo sagrado, dotado duma alma racional, unido ao qual, na sua pessoa, se diz que o Verbo nasceu segundo a carne.” Esta é uma explicação clara de o porquê Maria é considerada Mãe de Deus na Igreja Católica. Chamar Maria de Theotokos (Mãe de Deus) é garantir a totalidade de nossa fé em Jesus sendo homem por inteiro e Deus por inteiro, sem se dividir ou diminuir em sua glória eterna.
Em Maria encontramos o grau de união entre Deus e o homem, uma relação de Amor que se dá na pessoa de Jesus Cristo, nascido de Maria. Ela não é deusa, mas  é mãe do Cristo e, portanto, é mãe de Deus. Uma frágil mulher, que levou o Filho de Deus no ventre e por mais de 30 anos viveu e agiu como Mãe de Deus. Ela também precisou entender essas coisas e por isso vivia tentando entendê-las e as guardava no coração. É de Maria que Jesus recebeu a sua personalidade humana. Os gestos e o carisma de Jesus são herdados de sua Mãe que o acompanhou desde o seu nascimento até a Sua Morte de Cruz.
De fato, Deus fez morada no seio de uma virgem e por isso Maria é verdadeiramente a Mãe de Deus. Essa verdade de fé não aceita por milhares de pessoas precisa ser proclamada por nós católicos não só no primeiro dia do ano quando celebramos essa solenidade, mas todos os dias de nossa vida.
Ao inaugurarmos o novo ano coloquemo-nos, assim como os primeiros cristãos, debaixo da proteção de Maria a Mãe de Deus e peçamos que ela interceda por nós ao longo de mais um ano que iniciamos no dia em que a proclamamos como a toda Santa Mãe de Deus.

Rezemos juntos: "À vossa proteção recorremos Santa Mãe de Deus. Não desprezeis as nossas súplicas em nossas necessidades, Mas livrai-nos sempre de todos os perigos, Ó Virgem gloriosa e bendita!".
- Rogai por nós Santa Mãe de Deus.
- Para que sejamos dignos das promessas de Cristo!





Nenhum comentário:

Postar um comentário